- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu nasci a ouvir o fado

Linhares Barbosa / Popular *fado corrido*
Repertório de José Freire

Eu nasci a ouvir o fado
Ao colo de minha mãe
A ama que me criou
Cantava o fado também

Comecei de tenra idade / A puxar prá fadistice
Minha mãe como isto visse / Quis-me tirar da cidade;
Mas porém, já era tarde / Estava um faia consumado
Foi num colete encarnado / Que me cobriram de loiros;
Foi numa espera de toiros / Que eu ouvi cantar o fado

Cantaram-me belos fados / E bebeu-se do bom vinho
Gemia o triste pianinho / Nos seus sons ternos, magoados;
Estávamos todos entrados / Quando a luta se travou
Um faia que então entrou / Cantou mais esta cantiga;
Que era linda a rapariga / A ama que me criou

Que é moda ser-se fadista / Isto está mais que provado
Todos querem cantar o fado / Ficam a perder de vista;
O galo quer-se com crista / Triste de quem não a tem
Toodos cantam, mal ou bem / Até mesmo o padre santo;
Sabendo o fado um encanto / Cantava o fado também