- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Por onde me levar o vento

Mafalda Arnauth / José Marques *fado triplicado
Repertório de Mafalda Arnauth

Se Deus me desse o condão 
De agarrar por minha mão
O melhor que a vida tem
Mil pedaços guardaria
Desta forma fugidia
De existir, de ser alguém

É tanto tempo perdido
É quase sangue vertido / Tempo ido em correria
Que
às vezes sigo lá fora
Perguntando onde mora / Ou se demora a utopia

Eu quero abrir a cortina
Que me faz, desde menina / Ter por sina o desalento
E assim ganhar a coragem
Para enfim seguir viagem / Por onde me levar o vento

Se Deus me der o condão
De arrancar do coração / Tantos medos, tantas mágoas
Irei de cabeça erguida
Ao sabor da minha vida / 
Mergulhar nas suas águas