- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O meu coração parou

Artur Ribeiro / Popular *fado menor, estilizado*
Repertório de Fernando Maurício

O meu coração parou
E tudo ficou parado
A voz de cantar meu fado
Emudeceu na garganta
Não chego a saber quem sou
Nem o que faço na vida
Sou folha no chão caída
Sou poeta que não canta

Nem um grito de revolta / Nestes meus lábios cansados
Nos meus olhos magoados / Um olhar, de ver ninguém
Sou quarto onde ninguém / Sou um berço sem menino
Uma carta sem destino / Que não sabe donde vem

Eu sou o louco mais louco / À solta por este mundo
Sou um verso tão profundo / Que ninguém o decifrou
Tudo isto, porque à pouco / Quando cheguei, não te vi
E até tu voltares aqui / O meu coração parou