- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Verde pino, verde mastro

Alexandre O’Neill / Alain Oulman
Repertório de Amália Rodrigues

Não há flor do verde pino que responda
A quem, como eu, dorme singela
O meu amigo anda no mar e eu já fui onda
Marinheira e aberta

Pesa-me todo este corpo que é o meu
Represado, como água sem destino
Anda no mar o meu amigo, ó verde pino
Ó verde mastro da terra até ao céu

Soubera eu do meu amigo
E não estivera só comigo

Que onda redonda eu era para ele
Quando, fagueiro, desejo nos levava
Ao lume de água e à flor da pele
Pelo tempo que mais tempo desdobrava

E como, da perdida donzelia
Me arranquei para aquela tempestade
Onde se diz, duma vez, toda a verdade
Que é a um tempo, verdade e fantasia

Soubera eu do meu amigo
E não estivera só comigo

Que sou agora, ó verde pino, ó verde mastro
Aqui prantado e sem poderes largar
Na mágoa destes olhos, só um rastro
Da água verdadeira doutro mar

Soubera eu enfim do meu amigo
E não estivera só comigo, em mim