- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fria claridade *J.Braga*

Pedro Homem de Mello / Pedro Rodrigues
Repertório de João Braga 

No meio da claridade
Daquele tão triste dia
Grande, grande era a cidade
E ninguém me conhecia

Rostos, carros, movimentos / Traziam noite e segredo
Só eu me sentia lento / E avançava quase a medo

Só a saudade da pátria / Longínqua, me acompanhava
Quisera voltar à serra / E ouvir o vento e a água brava

Quisera voltar ao bosque / Onde sei que sou lembrado
Voltar às l
eiras de Afife
E ouvir a canção tão mansa / Do pastor que guarda o gado

Mas nas ruas sinuosas / Ainda o rumor crescera
E eu contemplava assombrado

Minhas mãos ontem com rosas / Minhas mãos hoje de cera

Então passaram por mim / Uns olhos lindos, depois
Julguei sonhar, vendo enfim / Dois olhos, como há só dois

Em todos os meus sentidos / Tive presságios de adeus
E os olhos logo perdidos / Afastaram-se dos meus

Acordei, a claridade / Fez-se maior e mais fria
Grande, grande era a cidade / E ninguém me conhecia