- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado das Caldas

Arnaldo Forte / Raúl Ferrão
Repertório de Vicente da Câmara 

Calça justa bem esticada / Já manchada do selim
E plainas afiveladas /
Antigamente era assim
Mantas de cor nas boleias

P’ras toiradas e p’ras ceias

De milorde aguisalhada
À cabeça da manada
Trote largo e para a frente
Com os seus cavalos baios;
As pilecas eram raios
Fidalgos iam co'a gente


E p'la ponte da tornada /
Por lá é que era o caminho
Bem conduzindo a manada /
A passo, devagarinho
E quem mandava o campino 

Era o mestre Vitorino

Praça cheia, toca o hino /
Dos Gamas, toiro matreiro
Vitor Morais, o campino /
Anadia, o cavaleiro
E que sortes bem rematadas

Havia nessas toiradas

Nos tempos eu que eu vivi /
Findavam as brincadeiras
Nas barracas do Levi /
Com dois tintos das Gaeiras
Entre cartazes e letreiros

De toiros e cavaleiros