- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Bruma do cais

Miguel Martins / Tiago Machado
Repertório de Marco Rodrigues


No nevoeiro denso
Sentado neste cais, eu penso
No teu sorriso quando se acendia em luz, na madrugada
E se esvaiu em fumo
Numa manhã sem berco ou rumo
A que nos trouxe a esta margem onde não havia nada

Sofri... a tua voz sem som
Sofri... a tua cor sem tom
Aqui onde me achava só
E tu aí... já encontrada

Navegas nos meus sonhos
Será que as minhas mãos mergulham
Nessa tua noite escura

Por ti voltava a nascer
Por ti voltava a morrer
Aqui no triste amanhecer
Em que te sei mulher nesta lonjura