- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Atlântico

Letra e musica de Jorge Fernando
Repertório do autor

Donde vem esta água, espuma breve
Que torna a areia quente, areia d'água
Aonde retorna ela que me leve
Às margens que me afundam nesta mágoa

Donde vem esta água, imensos céus
Que quem do céu a visse ela sonhasse
Ser o infinito azul onde está Deus
Donde toda a vida emanasse

Donde vem esta água, que olhos tristes
Se desfizeram em sal na água virgem
Quantas velhas lágrimas tu viste
Mesno a rolar na face dos que fingem

Donde vem esta água, de que mãe
Que ventre a deu então à terra quente
Que arrasta em si a vida quando vem
E quer-se repartir por toda a gente