- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado do colete encarnado

Bento Faria e João Bastos / Filipe Duarte
Intérprete: Carlos Guilherme e João Balula Cid


Minha guitarra adorada
Ajuda-me, por favor
A lembrar à minha amada
Os seus pecados de amor

Quero chamar a perjura / E perguntar-lhe o que fez
Daquela eterna ventura / Que me julgou tanta vez

Se quando me desprezava / Nunca se lembrou sequer
Que assim desacreditava / O coração da mulher

Oh! como a gente envaidece / Colhendo tanto do céu
Que ofendia a quem dissesse / Que era mais feliz do que eu

Virá dizer-me à janela / Que não tenho coração
Não tenho, matou-o ela / Com o punhal da traição

O seu peito desprezado / Achará morto de dor
Meu coração sepultado / Nas cinzas do seu amor

Virá dizer-me à janela / Que não tenho coração
Não tenho, matou-o ela / Com o punhal da traição

O seu peito desprezado / Achará morto de dor
Meu coração sepultado / Nas cinzas do seu amor