- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado vestido de fado

Moze de Fernando Maurício / Glosa de Mário Raínho / Popular *fado corrido*
Repertório de Ana Moura


Se fado é tristeza e dor
Se é ciúme, se é pecado
Que serás tu, meu amor
Todo vestido de fado


Talvez sejas o quebranto / Meu pranto em horas tardias
Rosário de Avé-marias / Que rezo quanto te canto;
Pois fico neste entretanto / Dum acorde desenhado
Porque te chamo num fado / Te canto com tal fervor

Se fado é tristeza e dor
Se é ciúme, se é pecado


Os meus sentidos dispersos / Não me conseguem dizer
Razões da minh’alma ser / Refúgio de tantos versos;
Mistério dos universos / P'ra onde foi atirado
Este desejo rogado / Na minha voz em clamor

Que serás tu, meu amor
Todo vestido de fado