- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

A Rosa da Madragoa

Frederico de Brito / José Duarte Seixal *fado seixal*
Repertório de Fernanda Maria

A Rosa da Madragoa
Enche a canastra na praça;
Vem para a rua, apregoa

Acorda meia Lisboa
Que sorri quando ela passa

Sobe escadas divertida /Numa alegria que alastra
Baila-lhe a saia garrida
Não lhe pesa a cruz da vida / Pesa-lhe mais a canastra

Tem um rapaz de quem gosta /
Mas que não lhe dá cuidado
Mas se ouve alguma proposta
Atira cada resposta / Que o deixa de cara ao lado

Há noite, ali pela Esperança / Ela que veio d'Estarreja
Baila, canta, pula, e dança
No seu vira que não cansa / Por mais virado que seja

Se pela sombra das esquinas / A sua voz atordoa
Sabem as outras varinas
Quando passa pelas Trinas / A Rosa da Madragoa