- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Olhos garotos

Linhares Barbosa / Jaime Santos 
Repertório de Lucília do Carmo 

Este fado, também conhecido por *Olhos travessos* 
foi gravado em 1954 pela sua criadora, Lucília do Carmo
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção

Diz aos teus olhos garotos / Vivos marotos 
Pretos, rasgasdos 
Que não andem p'las esquinas / Feitos traquinas
E malcriados 
Que não sigam as meninas / Simples, ladinas 
Dos olhos meus 
De tudo acho capazes / Os maus rapazes
Dos olhos teus 

Teus olhos amendoados / São comparados
A dois cachopos 
Que quando topam meninas / Pelas esquinas
Dizem piropos 
É preciso que lhes digas / Que as raparigas 
Nem todas são 
Como as pedras que há nas ruas / Gastas e nuas
Sem coração

Diz-lhes tudo sem ralhares / Sem te te zangares
Tem mil cuidados 
Sim, que para entristecê-los / Prefiro vê-los
Nos seus pecados 
Não quero os teus lindos olhos / Correndo abrolhos
Livre-nos Deus 
Que causassem tais ruínas / Estas meninas
Dos olhos meus


Há quem considere este fado como tradicional.
Porém, não apresenta métrica constante quanto ao número de sílabas por verso
sendo esta e a respectiva rima no esquema 7-4-4-7-4-4.

Interpretações há que lhe acrescentam um separador musical, tipo refrão, que mais
reforça o carácter de fado-canção desta peça. 

É o caso de Argentina Santos em «A Grandeza do Fado» (letra de Clemente José Pereira) 
e de outros fadistas.