- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado mulher

Ary dos Santos / Nuno Nazareth Fernandes
Repertório de Maria Armanda


Morrer ao pé de ti, é quase tudo
Viver junto de ti, é quase nada
Sou rosa de cetim e de veludo
Sou mulher possuída e mal amada

Não és o meu amigo, és só amante
Mal amado de mim que por ti choro
Na raiva dos meus olhos diamante
No sal da minha pele em cada poro

Põe os teus olhos nos meus / Aquece este corpo frio
E depois jura por Deus / Que foi meu o desafio

São os meus olhos a espada / O mal, o fogo, e a chama
Sou ternura amarrotada / Quando os dois estamos na cama

Mulher ao pé de ti, como a entendes
Gazela, dor, cavalo, flor, fragata?
Mulher, palavra que não compreendes
Mulher da vida que a viver se mata

Rameira das palavras, sou roseira
De espinhos e canseiras que sofri
Mas quando eu canto, sou a vida inteira
Trepando na videira que há em ti