- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da freira

Armando Neves / Miguel Ramos *fado freira = fado oliveira*
Repertório de Joaquim Pimentel

Na cela do seu convento
Rodeada de roseiras
Onde entrara nova ainda;
Sem um ai, sem um lamento
Entre tantas lindas freiras
Morrera a freira mais linda

Era tida como santa
A sua graça era tanta / E simples o seu sentir
Que no seu cárcere deitada
A freira santificada / Levava a vida a sorrir


A todas dizia ela
Que nunca amara na vida / Homem algum, pelo visto
Sózinha na sua cela
Em orações recolhida / Apenas amara Cristo

Logo que a freira morreu
E a Abadessa apareceu / Para em tais termos dizer
Ponham-lhe nas mãos, em cruz
A medalha de Jesus / Que ela beijou ao morrer

Mas quando uma freira absorta
Acercando-se da morta / Nessa medalha pegou
Pôs-se a gritar: Deus nos valha
Não é de Cristo a medalha
/ Mas do homem que ela amou

A estrofe assinalada a verde não faz parte da gravação do Joaquim Pimentel