- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.690 LETRAS PUBLICADAS <> 2.679.000 VISITAS < > 01 FEVEREIRO 2023
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A louca do cais (alucinação)

João de Freitas / Joaquim Campos
Repertório de Valdemar Vigário
 
Título original *Alucinação* 
Publicado no livro da Academia do Fado e da Guitarra

Eu encontrei no cais uma linda velhinha
Cabelo cor da neve, o céu azul, fitando
Triste e silenciosa estava ali sozinha
Com o lenço na mão para o mar acenando

Eu quedei-me surpreso ali a contemplar
Seus gestos maquinais, pois não via ninguém
De quem se despedisse e ela sempre a acenar
Pensando estar no cais a dizer adeus a alguém

Depois vim a saber, que enlouqueceu de dor
A sua triste história houve alguém que a contou
Que partira prá guerra um filho, o seu amor
Dali se despediu e nunca mais voltou

Agora a pobre mãe, numa alucinação
Todos os dias vai cumprir seu negro trilho
Acenar para o mar com o lenço na mão
Pensando estar no cais a dizer adeus ao filho