- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu ontem e hoje

Letra e musica de Fernando Farinha
Repertório do autor

P'ra que todos fiquem certos
Do meu passado e presente;
Eis a história realista
Do homem, deste fadista
Que aqui está na vossa frente

Fernando Tavares Farinha / É este o meu nome inteiro
Na Bica feito p'ro fado
E nascido e baptizado / No concelho do Barreiro

Em mil nove e vinte e nove / Fiz-me ao mundo em ser humano
Quinto filho, quinta asneira
De mãe nascida na beira / E de pai alentejano

Triste foi a minha infância / De enxerga velha e pão duro
E mal sete anos somei
Logo ao fado me entreguei / E fiz dele o meu futuro

Da pobreza dos meus pais / Se formou o meu sentir
Ganhei fama e alguns cobres
Mas luto p'lo bem dos pobres / Não me deitei a dormir

E aqui têm o Farinha / Que embora errando também
Com percalços na subida
Construiu a sua vida / Sem se vender a ninguém