-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores dos temas aqui apresentados.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* 7.355' LETRAS <> 3.257.500 VISITAS * MAIO 2024 *

. . .

Fado do 31

João Alves Coelho / José Maria Pereira Coelho
Versão do repertório de Rodrigo 
Criação de Maria Vitória na revista *O 31* Teatro Avenida em 1913
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livo: Poetas Populares do Fado-Canção
-
É pró fado nacional 
Pró pagode e pró banzé
Como este não há nenhum
Tudo bate em Portugal 
Ólari ló pistaré
O fado do 31

À porta da Brasileira
Dois tipos encontram dois
Juntam-se os quatro e depois
Lá começa a cavaqueira
Agrava-se a chinfrineira
Vai aumentando o zum-zum
Vem bomba, arrebenta, pum
Depois, agora vereis
24, 26, 29 e 31 

Ó larilólela...
Como este não há nenhum
Tudo bate em Portugal o fado do 31 

Um homem que quer sarilhos
Por um motivo qualquer
Discute com a mulher
E dá porrada nos filhos
A sogra nos mesmos trilhos
P' ra não ficar em jejum
Leva depois um fartum
Desata tudo ao biscoito
24, 28, 29 e 31

Ó larilólela...
Como este não há nenhum
Tudo bate em Portugal o fado do 31 

Já de de manhã, bem tachados
Bebem vinho da botija
Viram dois copos da rija
De quatro em dois separados
E assim bem engraxados
P´ra não ficar em jejum
Viram dois copos de rum
Vem Carcavelos e Porto
E depois está tudo torto
E rebenta o 31
- - - 
Versão original

É um fado nacional 
Pró pagode e pró banzé
Como outro não há nenhum
Tudo bate em Portugal 
Olarila pistaré
O fado do 31

À porta da Brasileira 
Dois tipos encontram dois
Ficam os quatro e depois 
Lá começa a chinfrineira
Azeda-se a cavaqueira
Vai aumentando o zum-zum 
Vem bomba, rebenta, pum
E agora aqui o vereis 
24... 26...29... e 31 

Ó larilólela...
Como este não há nenhum
Tudo bate em Portugal o fado do 31 

Um homem que quer sarilhos 
Por um motivo qualquer
Discute com a mulher
E dá porrada nos filhos
A sogra nos mesmos trilhos
P'ra não ficar em jejum 
Leva depois um fartum
Desata tudo ao biscoito 
24... 28... 29... e 31

Ó larilólela...
Como este não há nenhum
Tudo bate em Portugal o fado do 31

Mal amanhece, os tachados 
Bebem vinho da botija
Mais um copinho da rija
De quatro em dois separados
Depois, assim engraxados
P´ra não ficar em jejum 
Bebem dois copos de rum
Vai Carcavelos e Porto
E no fim está tudo torto 
E rebenta o 31
- - - 
O nome da criadora deste êxito, ainda hoje ouvido, atesta bem a 
antiguidade da peça. 
Maria Vitória, ícone primordial, quase se confundindo com a Severa 
(há um fado tradicional construído à volta desse paralelismo* além do mais
porque a Severa morreu com 26 anos de idade e Maria Vitória com 27), tem 
um teatro de Lisboa e uma música de Fado com o seu nome, mas não uma
rua na cidade onde foi famosa, nem sequer no Bairro dos Atores, entre os 
quais luziu, na dupla função de representar e cantar.

A letra faz uma jocosa evocação da gorada intentona republicana de 31 de 
Janeiro de 1891, no Porto, onde a república chegou a ser proclamada, no 
entusiasmo de já o ter sido no Brasil, em 1889, e da reação ao Ultimato 
inglês de 1890. 
Em Lisboa e no resto do País, ainda teria de esperar 9 anos para se ver 
implantada mas ao sê-lo, em 1910, havia ecos ainda muito frescos 
na memória do público com a distância de três anos a permitir, já, que se 
brincasse com o assunto apesar dos 12 mortos e 40 feridos que «o 31»
tinha custado. 
Ainda nos nossos dias, um «31» é sinónimo de complicação difícil de resolver.