- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado das tesouradas

Paco Bandeira
Repertório de Rodrigo

É uma alegria quando encontro um companheiro
Que me conta o dia a dia, sem dizer mal do parceiro
Fico contente quando a conversa trocada
Não acaba á tesourada na pele de qualquer ausente

Já estou cansado de contos e mexericos
Dos que mordem os visados
Há revelia nos ditos
Estejam calados, não me sujem os ouvidos
Eu quero acabar meus fados
Em paz, com os meus amigos

A roupa suja que se lava nas conversas
É o fruto da inveja das criaturas perversas

A sociedade tem muito que se lhe diga
Há quem use a liberdade p´ra semear a intriga

É uma tristeza ver a falta de verdade
Com que a inveja e a maldade
Se atiram a qualquer presa
Ninguém escapa á má língua e ao paleio
Dos que mordem á sucapa
Na carcaça do alheio