- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Senhor mundo

Letra e música de Belo Marques
Repertório de Manuel Fernandes 

Senhor mundo dê licença  / Quero pedir-lhe um favor
Dê-me, se possível for / Um lugar ao sol também
Então quem mais na vida  / Cabe num cantinho só
Num pedacito de pó  / Que não faz sombra a ninguém

Quem nasceu sem ter pedido / Permissão para nascer
E vive cá sem saber / A que lei anda sujeito
Creio que a ninguém ofende / O pedir seja a quem for
Um pedacito de amor / A que todos têm direito

Deixai viver num cantinho
A alma dum vagabundo
Que o pedacito do espaço que habito
Não faz falta ao mundo
Oh vida errante que sigo
Sem finalidade alguma
Só para encontrar-te, vivo em toda a parte
E em parte nenhuma 

Ninguém crê nem adivinha / Como eu amo a minha dor
Não a dou seja a quem for / Nem a troco por ninguém
Quero senti-la só minha / Porque existo e ela existe
A alegria de ser triste / Faz doer, mas sabe bem