- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fim de semana

Valentim Matias / Eduardo Lemos
Repertório de Rodrigo

O sol já despontou, é domingo
O céu surgiu azul, primavera
Eu fico mais um pouco
Entre os lençois contigo
Lá fora está o dia à nossa espera

É bom chegar ao desejado fim de semana
P‘ra descansar
Sem ter de andar engravatado, no autocarro
A transpirar
É bom sentir que ainda há vida para viver
Sem ter de ser essa corrida
Que nos põe loucos e faz sofrer


De tarde vou até à beira-mar
E faço uma paragem p‘ra pensar
Que a vida não é só de loucas correrias
Pois também o descanso tem seus dias

Hoje o almoço não é croissant comido ao balcão
Isso é prá manhã
Vai ser sentado, saboreado, bem instalado
Como um páxá
E as crianças brincam contentes à nossa volta
Esquecem as amas esquecem a escola
E à rédea solta jogam à bola