- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Varina de olhar gaiato

Manuel de Almeida / Popular c/arranjos de Manuel de Almeida
Repertório de Manuel de Almeida 

Varina de olhar gaiato
Insinuante varina
Tu és o vivo retrato
Dessa Lisboa traquina

Dessa gente humilde e sã / Do meu bairro sonhador
Tu és o despertador / Ao despertar da manhã;
Risonha, alegre e louçã / Sempre picante no trato
Há lá viela ou recato / Que o teu pregão não aqueça;
Que esse olhar não endoideça
Varina de olhar gaiato

Quem é, quem é, que adivinha / Quantos segredos de amor
Tu ocultas com fervor / Dentro dessa canastrinha;
Lamento por sorte minha / Ser tão pobre por má sina
Senão dava-te, ladina / Se possuísse, um tesoiro;
Uma canastrinha d’oiro
Insinuante varina

Se à espera duma traineira / Tu apareces na lota
Lembras alegre gaivota / A volejar na Ribeira
Não olhes dessa maneira / Que apesar de eu ser sensato
Fazes-me perder o tato / E um dia não sei que faça
Dos mil encantos da raça
Tu és o vivo retrato

Falte embora a luz da Lua / Deixe o sol de brilhar
Mas não deixes de passar / Um só dia à minha rua;
Pois somente a graça tua / Mais do que o sol ilumina
Minha rua pequenina / Onde levas a voz fresca
Toda a graça pitoresca
Desta Lisboa traquina