As 5.205 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Queres namorar?

Letra e música José da Câmara e Daniel Gouveia
Repertório de José da Câmara 

Quando crianças, entre um berlinde e um pião
Eis que bate o coração, em contra-danças
Saltando à corda, acorda o primeiro amor
Pintado a lápis de cor, cor de esperanças;
Num dó, ré, mi, sai na vozinha insegura
Aquela frase tão pura: gosto de ti

Sendo a paixão uma coisa que mata
E que maltrata 
E que maltrata
Há o cuidado de nos defender
P’ra não sofrer
P’ra não sofrer
Nunca esquecendo que o melhor segredo
É não ter medo
É não ter medo
Olhos nos olhos, vou perguntar
Queres namorar 
Queres namorar?

Mais crescidinhos, calam-se as bocas coladas
Falam as mãos apressadas noutros caminhos
Os anos correm, fazem-se planos futuros
Sem capital mas com juros, já casadinhos;
E o que era a dois, faz que apareça mais gente
Que deita nova semente, tempos depois

Sorrindo aos netos com a manta nos joelhos
Eis que chegaram a velhos, velhos afetos
Dois anciãos, mas as mãos já engelhadas
Continuam enlaçadas, cheias de nós;
Como eram lindos com o seu ar namoradeiro
Um caso de amor inteiro, os meus avós