- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Domingo de manhã

Manuel Carvalho / Carlos Alberto França
Repertório de Lourenço Carvalho 

Acabou a madrugada / Novo dia vai chegar                 
Levo a garganta cansada / De tantos fados cantar             
Subo a rua do Souto / Vou direito a Campanhã          
Inda vou dormir um pouco / É domingo de manhã               

O Zé Mau e outros mais / Não foram à banca rota           
Nas escadas dos Guindais / Inda se joga à batota
Lá no Arco de Vandoma / Passa a Rosa vendedeira       
Leva a giga d’azeitona / P’ra vender lá na Ribeira         
          
É este o fado qu’eu canto
Num estilo sempre novo
Com versos feitos d’encanto
Nesta canção do meu povo
Passo as noites a cantar
É vida do meu agrado
Não me canso de mostrar
Que aqui também há fado 

O Chico vende jornais / Na esquina da rua Chã
Bate o sol nos quintais / É domingo de manhã
Alguém chega à estação / Carregando de saudade
A São Bento uma oração / Por ter voltado à cidade

Mulheres de socos nos pés / E mantilha na cabeça
Vão à missinha das dez / Antes que a fé arrefeça
Subo a rua do Cativo / E uns olhos cor de avelã
Chamam por mim dum postigo / É domingo de manhã