- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.580 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Domingo de manhã

Manuel Carvalho / Carlos Alberto França
Repertório de Lourenço Carvalho 

Acabou a madrugada / Novo dia vai chegar                 
Levo a garganta cansada / De tantos fados cantar             
Subo a rua do Souto / Vou direito a Campanhã          
Inda vou dormir um pouco / É domingo de manhã               

O Zé Mau e outros mais / Não foram à banca rota           
Nas escadas dos Guindais / Inda se joga à batota
Lá no Arco de Vandoma / Passa a Rosa vendedeira       
Leva a giga d’azeitona / P’ra vender lá na Ribeira         
          
É este o fado qu’eu canto
Num estilo sempre novo
Com versos feitos d’encanto
Nesta canção do meu povo
Passo as noites a cantar
É vida do meu agrado
Não me canso de mostrar
Que aqui também há fado 

O Chico vende jornais / Na esquina da rua Chã
Bate o sol nos quintais / É domingo de manhã
Alguém chega à estação / Carregando de saudade
A São Bento uma oração / Por ter voltado à cidade

Mulheres de socos nos pés / E mantilha na cabeça
Vão à missinha das dez / Antes que a fé arrefeça
Subo a rua do Cativo / E uns olhos cor de avelã
Chamam por mim dum postigo / É domingo de manhã