- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canção vira lata

Letra e música de João Monge
Repertório de Hél der Moutinho 

Eu queria escrever-te um poema domingueiro
Assim meio rafeiro com a rima sem gravata
Daqueles poemas onde cabe o mundo inteiro
Para te mostar um coração vira-lata

Eu queria cantar uma canção que tu recordes
Daquelas que arrepiam a cova-do-ladrão
Mas só aprendi a fazer os tês acordes
E agora, mulher, ainda tenho salvação?

Ai Geni...
Eu queria ser o teu artista
O trapezista que te faz soltar um grito
Ai Geni...
Ser o teu pássaro de alpista
No teu poleiro, queria ser o mais bonito

Eu queria ter assim a pinta do Caetano
Que embala com carinho o teu bichinho-do-ouvido
Fazer boa figura e não pôr nódoa no teu pano
E agora, mulher, achas que sou um bom partido?