- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Amália sempre e agora

Amélia Muge / Mário Pacheco
Repertório de Mísia

Voz ancestral de bacante / De grega sacerdotisa
De pitonisa, de musa
Dos cantos à deusa Íris / E das rezas a Maria
Do lamento à luz do dia / De sereia em nevoeiro
Uivo na estepe que chora / Amália sempre e agora

Voz de jasmim de Djerba / De passarinho na noite
Da savana africana / De raga em Katamandu
De índia velha no Perú
Dos ventos da Anatólia / Das fontes dos Pirinéus
Que o próprio canto namora / Amália sempre e agora

Voz de Afrodite brilhando / Qual estrela da manhã
Velando na madrugada
Voz de uma moira encantada / De uma rosa no deserto
De um trovão em céu aberto / Que vem de fora p’ra dentro
Que sai de dentro p’ra fora / Amália sempre e agora

Voz daqui, de todo o lado / Levando a casa do fado
Aos quatro cantos do mundo
Como se a vida encontrasse / Nesse canto tão profundo
O póprio início de tudo / Que vem de fora p’ra dentro
Que sai de dentro p’ra fora / Amália sempre e agora