- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Marujinho português

Mário Raínho / Fernando Ribeiro
Repertório de Alice Pires

Quando Deus criou o mar / Logo pensou, quando o fez
Tenho agora que criar / Um marujo português

Faz-me ao mar a força viva / Deste português de fé
Nau duma esperança festiva / Que não andou à deriva
Como a arca de Noé

Meu portugês marujinho / Infante de muitas rotas
Quantas paisagens remotas / Colheste pelo caminho
E do mar ao regressar / Num porão de caravela
Trazias cheiro a canela / Com mistura de cravinho

Venceste o Adamastor / Com essa fé que sentias
Peito erguido sem temor / 
Nas caravelas dos dias

O olhar, perdido, em frente / Sentindo que o mundo chama
Assim foste ao Oriente / A esse cais de nova gente
Nas naus de Vasco da Gama

Gaivota, sonho em viagem / Que um dia regressa ao ninho
Sobre o convés da coragem / 
Meu português marujinho