- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canção dos ciumes

Domingos Gonçalves da Costa / Adelino dos Santos
Repertório de Manuel Fernandes

Disseste há pouco
Que detestas meu ciúme
Ciume que se resume
Em te querer mal que te vi
Ciume louco
Na minha alma nasceu
Ao ver que a terra e o céu
Também gostavam de ti

Se não me queres ciumento / Porque te cause desgosto
Diz à lua, ao sol e ao vento
Que nem sequer um momento / Venham beijar o teu rosto

Diz às estrelas também / Que tirem o brilho, o lume
Que esse teu estranho olhar tem
Se assim o fizeres, meu bem / Nunca mais terei ciume


Sofro, è verdade
Se a brisa te vem beijar
E se atrevido, o luar
Te envolve em beijos de luz
Por caridade
Se isto è ciume, desculpa
Mas não sou eu quem tem culpa
Da minha pesada cruz