- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Amor e fé

Domingos Gonçalves da Costa / Martinho d'Assunção
Repertório de Manuel Fernandes 

Deitou p'ra trás o boné / E contente a assobiar
Subiu a Rua da Fé / Levando a fé no olhar

Depois bateu à janela / Do modesto rés-do-chão
Onde morava a donzela / Dona do seu coração

E ela vestida de chita bonita
Qual rosinha de toucar
Sai para a rua, dá-lhe o deu braço
E traz promessas no meigo olhar
Ele ao vê-la tudo esquece e parece
De contente, uma criança
E há quem diga que o destino
Juntou nos dois a fé e a esperança


E num dia de bonança / Na igreja de São José
Casou cheiinho de fé / Co'a dona da sua esperança

E a partir daquele dia / Alguém que os vê diz até
Há mais luz e alegria / 
Na velha Rua da Fé