- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Os pontos nos ii *o luto*

Maria do Rosário Pedreira / Júlio Proença *fado esmeraldinha*
Repertório de Aldina Duarte

Ouvi dizer que à morte te rendias
Que num febrão teu corpo se apagava
Que essa mulher com quem então vivias
Incapaz de salvar-te, só chorava

Eu quis calar a voz que me trazia
Notícia assim cruel e tão fatal
Mas ainda ouvi, já ela não se ouvia
Chorar meu coração pelo teu mal

Se não medi o passo que então dei
E vens agradecê-lo, já curado
Ao menos ouve aquilo que calei
Quando pensei que a morte era o teu fado

Não foi por ti que eu fui, não há maneira
De perdoar o tanto que sofri
Foi na mulher chorando à cabeceira
Que, ao lamentar-te a sorte, eu me revi;
Essa mulher que tens p’rà vida inteira 
Foi por ela que eu fui, e não por ti