- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Meu porto de abrigo

António Terra / Casimiro Ramos *fado três bairros*
Repertório de António Terra

Estava a chegar o outono
Partiam as andorinhas
Dos seus ninhos nos beirais
Despertei de um longo sono
Como essas avezinhas
Eu rumei a outro cais

Naveguei sobre mar calmo
Águas limpas cristalinas / Num azul, que linda cor
Ao som de um canto de salmo
Guiado por leis divinas / Pró porto do teu amor

És porto do meu abrigo                                      
Onde me sinto em repouso / Da fúria dos temporais                          
Agora que estou contigo     
Partir de ti eu não ouso / Nem rumarei outro cais                    
       
És o astro benfazejo
Que curas as minhas feridas / Desta vida que é tão dura
És a estrela que desejo
Ver no céu de nossas vidas / Com amor muita ternura