- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Engracei

Letra e musica de João Gil
Repertório de Tony de Matos

Parei na aragem do vento;
Nem sempre è má companhia
Sentir solidão cá dentro;
Há muito que não sentia

Buscar o olhar de alguém
Sabendo que è numa altura qualquer
Mesmo arriscando o desdém
Já não me faz estremecer

Mas logo com passo de largo
Tinha de me fazer frente
Alguém que desse um recado
Ao meu coração dormente

Riscasse do meu passado
Sabendo o que è que ensombra o presente
Alguém que desse um recado
Ao meu coração dormente

Engracei com o modo como sorria
Com a força com que sentia
Os desenhos da calçada
Engracei com outras coisas, não sei
E nem me perguntem se olhei
Que hei-de fazer ? Engracei


Contas à vida não faço / Nem outras coisas não fiz
Se è para viver feliz / Então não faço o recato

Das coisas que eu aprendi / Sabendo que è 
P'ra enfrentar a paixão
P'ra levar a tentação / A terras que um dia eu vi

Tem graça, que enquanto o sonho / Demora tempo a passar
Também os anos demoram  A fazer-nos acordar

Também a aragem do vento / Que às vezes nos faz parar
Também os anos demoram / 
A fazer-nos acordar