- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Carroça da vida

Letra e musica de Frederico de Brito
Repertório de Tristão da Silva

Olha lá, não faças troça / Por eu ter modos grosseiros
Se a vida è uma carroça / Temos que ser carroceiros

Se há na vida um mau encarte / Embora a gente não queira
È um travão que se parte / Ao princípio da ladeira

Qualquer desgosto
Incomoda às vezes mais
Do que um arreio mal posto
Que anda a fugir dos varais
Não faças troça
Por eu ser desta maneira
Tem dó  da minha carroça
E dá-lhe uma dianteira


Um homem apaixonado / Tem cegueiras, tem repentes
È um cavalo espantado / Que leva o freio nos dentes

Se a traição nos faz sofrer / È porque não è mais nada
Que uma grnee chicotada / 
Que a gente leva sem querer