- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aqui está-se sossegado

Fernando Pessoa / José Julio Paiva *fado espanhol*
Repertório de Camané

Aqui está-se sossegado
Longe do mundo e da vida
Cheio de não ter passado
Até o futuro se olvida

Tinha os gestos inocentes / Seus olhos riam no fundo
Mas invisíveis serpentes / Faziam-na ser do mundo

Aqui tudo é paz e mar / Que longe a vista se perde
Na solidão a tornar / Em sombra o azul que é verde

Não foi propósito, não / Os seus gestos inocentes
Tocavam no coração / Como invisíveis serpentes

Durmo, desperto e sozinho / Que tem sido a minha vida?
Velas de inútil moinho / Um movimento sem lida

Nada explica nem consola / Tudo está certo depois
Mas a dor que nos desola / 
A mágoa de um não ser dois