- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

História sem fé

Manuel Paião / Eduardo Damas
Repertório de Tristão da Silva
Este tema também aparece com o títuulo  *História sem fim*

Ele era da Mouraria / E ela da Madragoa
Viviam longe um do outro / Mesmo vivendo em Lisboa

Um
dia a Rua da Prata / Numa esquina os dois juntou
Ele olhou, ela sorriu / E aquele amor assim começou

Passaram dias e meses
Que aquele amor foi paixão
Casaram os dois na Esperança
E foram p'ró Capelão
Tempos depois, numa tarde
Em que tudo era virtude
Levaram os dois a filha
À Senhora da Saúde


Ela cresceu e um dia / Numa rua de Lisboa
Ficou presa aos olhos negros / Que vinham da Madragoa

Ele falou do seu bairro / E ela falou do dela
E começou o namoro / 
Ele na rua rua e ela à janela