- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Emigrante *T.Matos*

Manuel Paião / Eduardo Damas
Repetório de Tony de Matos

Saí da minha terra, certo dia
Sozinho, a caminho lá da França
Deixando para trás tudo o que amava
Deixando até, meus sonhos de criança

Lá longe tive então de arranjar vida
Lutando por um desejo bem sagrado
Levar minha mulher e os meus filhos
P'ra irem lá viver para meu lado

E agora em França
Trabalho
e vivo bem
Agora em França
Eu penso que afinal
Feliz, feliz, eu só serei no dia
Em que já possa voltar p'ra Portugal


Lá longe desta terra, sou estrangeiro
Lá longe desta terra às vezes choro
E muitas noites só, eu sonho e rezo
E o meu regresso, a Deus então imploro

No dia a dia então eu vou pensando
Que aos estrangeiros dei a mocidade
Depois sozinho, eu sinto ir chegando
A companheira que è a saudade