- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Tanto mundo e tanto fado

Mário Raínho / Alberto Janes
Repertório de Paulo Jorge Ferreira 

Com horizontes, até onde a vista alcança 
E com distâncias, bem mais longe, no olhar
Venci os medos que trazia de criança
Como um infante, quis meus sonhos navegar

Ergui os mastros, desfraldei as minhas velas
E em barquitos de papel, fui marinheiro
Segui o rumo desenhado nas estrelas
E um astrolábio indicou-me o mundo inteiro

Deixei na terra a saudade
Chorei por mais que uma vez
Ganhei a idade deste sonho português
Do longe trouxe até nós
De mar em mar navegado
Em minha voz, tanto mundo e tanto fado

Bebi paisagens, que outros olhos não beberam
Ao pôr-do-sol nas praias mais tropicais
Provei, nas Índias, sabores, que me enlouqueceram
Aprendi danças, muitos costumes tribais

Adamastores e outros medos, fui, vencendo
De peito erguido sempre à proa dum navio
Só as saudades me foram anoitecendo
Dando desejos de voltar dos mares ao rio