- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aquele casaco amigo

José Patrício / Georgino de Sousa *fado georgino*
Repertório de José Patrício

Em noite fria sem lua
Encontrei naquela rua
Uma mulher soluçando
Eu dela me aproximei
Com respeito perguntei
Porque é que estava chorando

Ela nada respondeu
Apenas me olhou, Deus meu / Que tristeza o seu olhar
O meu casaco despi
Os seus ombros eu cobri / Sem na maldade pensar

P’ra minha casa a levei
A minha cama eu lhe dei / Outra p’ra mim fui fazer
Mas quando a manhã surgiu
Ela não estava, saiu / Foi-se sem nada dizer

Que Deus lhe dê bom caminho
Luz de esperança, algum carinho / Neste mundo de ilusões
Se outro casaco encontrar
E os seus ombros tapar / Sejam boas intenções