- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O barquinho de papel

Tiago Torres da Silva / Pedro Jóia *marcha da bica*
Repertório de Cristina Nóbrega

Um barquinho de papel
Vai a entrar em Lisboa
Leva o anjo Gabriel... à proa
Foi feito por um menino
Que ninguém sabe quem é
O seu nome pequenino
Apagou-o a maré

Um barquinho de papel
Que qualquer Manel fabrica
Vem preso por um cordel... à Bica
Mas se a maré o arrasta
E a carrega adiante
Sabemos que o sonho basta
Para a alma de um marchante

Quando vê a Bica o barquinho fica
Parado no rio
Não quer ir em frente e ao ver essa gente
Sente-se um navio
Então a criança faz uma aliança
Com cada alfacinha
E se o vir tristonho, vai buscar um sonho
À nau onde vinha

Um barquinho de papel
Traz desenhado com luz
O coração que o Manel... seduz
E se o Tejo é padrinho
Quando o amor se anuncia
Vai à proa do barquinho
O Manel e a Maria