- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Como dois barcos no Tejo

Letra e musica de Pedro Campos
Repertório de Hélder Moutinho

Ao largo da Sé 
Há festa, assam sardinhas
Cantigas e ladaínhas descem as ruas da Mouraria
Ao largo da praça antiga 
Há livros, chegam estrangeiros
Amantes namoradeiros como gaivotas ao fim do dia

Ai quem me dera
Que tu ficasse comigo
Como dois barcos no Tejo
Ai se pudesses ficar
Cantava um fado contigo

Nas escadas do Miradouro
Há copos, cantam fadistas
Lembrança dos tempos bairristas e a lua desce ao Capelão
Há luzes no Bairro Alto
Lisboa andou aos pares
Perdida na noite dos bares das avenidas, estranhos lugares

Aos braços do Cristo Rei
Lisboa manda na festa
Bebendo a noite que resta, tocam guitarras p’la madrugada