- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Os meus beijos

Carlos Conde / Popular *fado mouraria ? *
Repertório de Filipe Pinto

Ao venderes os beijos teus
Mulher que outrora beijei
Somente um favor te peço
Não vendas os que eu te dei


Ébrio de intenso fervor / Eu dei-te, ó minha querida
O que tinha de melhor / No relicário da vida
Hoje, numa dor sentida / Filha dos tormentos meus
Eu só te peço, por Deus / Visto disso ter ensejos
Que não vendas os meus beijos
Ao venderes os beijos teus

Os beijos que te são dados / Ó mulher tão falsa e má
São novamente comprados / Por aquele que t’os dá
Mas os meus, tu sabes lá / Da forma que t’os gravei
Nos lábios onde eu colei / Frases de paixão infinda
Só por seres a mais linda
Mulher que outrora beijei

Da vida que hoje detesto / Dei-te uma parte altaneira
Ainda quis dar-te o resto / P’ra te dar a vida inteira
Dei-te a paixão feiticeira / Pela qual hoje entristeço
Tudo te dei, mas, confesso / Que por ti já não me iludo
Mas em paga disto tudo
Somente um favor te peço

És da turba que não sente / Os princípios da mulher
Que pertence a toda a gente / Sem a ninguém pertencer
Pois faz por atender / Ao que de ti já roguei
Quando alguém seguir a lei / Da tua sedução bela
Vende beijos, mas, cautela
Não vendas os que eu te dei