- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Marinheiro em alto mar

José Fernandes Castro / Alberto Simões Lopes *fado dois tons*
Repertório de Manuel Delindro

Marinheiro em alto mar
Tristemente navegando
Uma sereia a passar
Encantando, encantando 

Um sonho a flutuar / Dentro dum simples convés
Acorrentado ás marés / Que o querem abraçar
Nos sonhos que tem p'ra dar / Há um vento puro e brando
Que teima em querer gritar / Um verso, de quando em quando
Marinheiro em alto mar
Tristemente navegando

Uma onda buliçosa / Beija a proa do navio
Provocando o arrepio / Da forma mais caprichosa
E o sonho cor de rosa / Que o marujo quer guardar
Tem versos por decifrar / Enquanto ele vai olhando
Uma sereia a passar
Encantando, encantando