- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Adeus adeus Mouraria

Artur Soares Pereira / Pedro Rodrigues
Repertório de Daniel Gouveia

A meia-noite soou
Está-me a apetecer cantar
Sinto em mim estranha alegria
Como peregrino vou
Com saudades, visitar
A velhinha Mouraria

Levo comigo um fadista
Desses que têm, no peito / Lugar reservado ao fado
Um fadista muito antigo
Mas que ainda canta a preceito / Quando recorda o passado

Por umas horas vou ter
Como companheiro e guia / Esse velho trovador
Com ele vou conhecer
Os locais onde batia / O fado a fina-flor

Quando chegámos, porém
A Moirama está deserta / Lembra Bela Adormecida
Nas ruas não há ninguém
Não há uma porta aberta / Um simples sinal de vida

Perante a realidade
Que ante o nosso olhar surgia / O pobre velho carpiu
Disse, a chorar, com saudade
Adeus, adeus, Mouraria / Quem te vê e quem te viu