- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A Rosa da Mouraria

Frederico de Brito / Martinho d'Assunção
Repertório de Carlos Ramos

Constou pela Mouraria
Que a Rosa ao saír de casa / Ia quase como louca
E a mostrar como sofria
Tinha os olhos numa brasa / E espuma ao canto da boca

Há quem diga que o rapaz
Ainda lhe pediu à porta / Que pensasse o que fazia
Ela nem olhou p'ra trás
Parecia que estava morta / Por saír da Mouraria

Altas horas... lá dentro uma luz enorme
Mostra bem que ele nem dorme
Que nem descansar consegue
Até a porta que dantes estava trancada
Fica apenas encostada
À espera que a Rosa chegue

Os que ali passam, reparam
Na falta que a Rosa faz / Vendo os vasos na parede
As sardinheiras secaram
E até um cravo lilás / Caíu, mortinho de sede

Mas naquele triste dia
Em que ocorreu esta cena / Contaram tudo em voz alta
E agora na Mouraria
Fala-se à boca pequena / Que a Rosa faz muita falta