- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Zé guitarrista

António José / António Parreira
Repertório de Maria Armanda

O Zé nasceu de noite a horas mortas
Entre guitarras, entre fadistas
Na tasca de outro Zé, fora de portas
Com a boémia, com os artistas

Cresceu, fez-se homem, amigo do fado
Seu companheiro onde estiver
E tem mais carinho p’la guitarra
Que pelo amor de uma mulher

Oh Zé tu és bom guitarrista
E para o povinho és o primeiro
Mas ficas a perder de vista
Para quem só canta de poleiro
Quando alguma voz desafina
E quem não gosta arma banzé
Não sei se é por azar ou sina
Quem paga as favas
Afinal, é sempre o Zé

Agora o Zé atura outro fado
Mais complicado e com cachet
E toca mas de contrato assinado
E muitas vezes no cabaré

O Zé faz o que pode na guitarra
Se o tom pedido é desigual
A vedeta nunca tem a culpa
Ele é que acompanha muito mal