- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ceia fadista

Carlos Conde / Casimiro Ramos *fado fé*
Repertório de Maria de Fátima

Conheci no Ribatejo
Aquele moço forcado
Primeiro um dito e um gracejo
À tarde atirou-me um beijo
À noite pediu-me um fado

Porém na ceia fadista / À moda ribatejana
Ele num ar de conquista
Namorava muito à vista / Dos olhos duma cigana

Então já sentindo o lume / Das paixões abrasadoras
Fui cantar sem azedume
Só p'ra mostrar que há ciúme / Num amor de poucas horas

Cada vez que ele a fitava / Vi-a sempre olhar p'ra mim
Mas nem ela imaginava
Nem eu própria acreditava / Que a cena estava no fim

Mas após tudo acabado / Outra voz chamou-lhe seu
Ambas iguais neste fado
Nem ela foi do forcado / Nem o forcado foi meu