- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Esta paz a que chamam tristeza

Rui Rocha / Miguel Rebelo
Repertório de Miguel Rebelo c/Ana Laíns

Resguardo o meu corpo do frio
E alargo os meus olhos no mar
Ao vento, canto fados ao rio
Que com eles vai vadio
Se deixar navegar

Abraço esse céu que me atrai
E afago a minha alma ao luar
E choro porque a lágrima cai
Mas a voz não me trai
E me deixa cantar

E és tu, meu porto seguro
Que me traz esta paz
Que cantando procuro
E és tu, canção portuguesa
Que me dás esta paz
A que chamam tristeza


Ao tempo só a vida lhe entrego
E à noite vou-lhe dando a paixão
No peito guardo a dor que renego
De um amor quase cego
Mas que nunca diz não

Ao Tejo muitas vezes me abeiro
E na margem é a Deus que suplico
E ao fado, meu fiel companheiro
Meu sentir derradeiro
Meu poema dedico