- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Um amor de chocolate

José Gonçalez / José Cid
Repertório de José Gonçalez

Apesar do vento norte
Que agita meu pensamento
Sem que minh’alma se importe
Arrisco a todo o momento
Algum presságio de sorte

Apesar das marés frias
E de todo o mar em fúria
Convencendo as nostalgias
Que se agitam na lamúria
Na amré dos nossos dias

É tão difícil amar-te
Que jamais supuz que fosse
Adoro saborear-te, meu veneno acre e doce
Como jamais supuz que fosse
É tão difícil amar-te
Meu veneno acre e doce com sabor a chocolate

Apesar de andar perdida
Nos pincéis duma aguarela
A esperança pede guarida
No porão da caravela
Na tela da nosso vida

Apesar dos vendavais
Que ora nos deixam sozinhos
Se juro não te querer mais
Na agrura dos aminhos
Sonho ir por onde vais