- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Entre o céu e o chão

Letra e musica de Jorge Fernando
Repertório de autor

Espera pelo sinal pelo meu aceno
Na cara do mal, noo olhar pequeno

Serve
Que cego serve a voz do escuro
Entre nós dois, redondo muro
Que se ergue firme em chão seguro

Não vou ficar na mão, não vou
Se me faltar o chão que eu sou
Dou por mim a querer pensar
Quem meus olhos quer fechar                                     

E se eu ressurgir um só segundo
Sem me conseguir prender ao mundo

Rezo
Que muito prezo a alma isenta
Que na tua alma se atormenta
E mata a sede ao estar sedenta

Na mão, no chão, ficar é quebrar
Passo e deixo passar
A onda que emerge, a ideia que rege
O sexto sentido, o sexo contido
Melhor é bazar, o mundo à espera
Ai que vida que era
E eu...