- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fragatas a passar

Castro Infante / Eduardo César
Repertório de Maria Valejo

Lisboa é uma mulher 
De colinas enfeitada
Tem o sol para se aquecer
E está ao Tejo abraçada

Eternamente do fado 
E feliz noiva do mar
Tem sempre um apaixonado
Para o seu fado cantar

Fragatas a passar, velhotes a pescar
Varinas discutindo na Ribeira
Há sol pelas vielas, há roupa nas janelas
Há cor nesta Lisboa marinheira
Os pares de braço dado due sobem o Chiado
Sorriem para o futuro com fé
Chamando pela gente desta Lisboa quente
Estão a tocar os sinos lá na Sé

Verdes ondas rendilhando 
Com espuma e algas partidas
Traineiras que vão passando
Pelas gaivotas perseguidas

Passam de bibe e sacola
Ao ar fresco da manhã
Crianças que vão para a escola 
São os homens de amanhã