- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Simbolo de prece

José Fernandes Castro / Joaquim Campos *alexandrino*
Repertório de Fernando João 

Eu vou pedir à noite um fado e uma voz
Vou pedir-lhe um poeta que fale sobre ti
Vou pedir ás guitarras, que toquem só p’ra nós
A minh’alma inquieta anseia ter-te aqui

Vou ter c’oa madrugada e vou cair-lhe aos pés
Vou pedir-lhe que cante até que o sol regresse
E já c’oa voz cansada, vou lançar ás marés
Um grito angustiante em símbolo de prece

Ao sol, eu vou pedir um pouco de calor
E ás rosas vou buscar aroma p’ró meu fado
Quando a lua surgir com todo o seu esplendor
Vou dar-te o meu sonhar, vou deitar-me a teu lado